Porque o gosto pelo que leio surpreende-me.

.posts recentes

. Lar Doce Lar

. Luz na Neve de Anita Shre...

. A Estrela de Danielle Ste...

. Escritores que...

. A Viagem

. Casamento de Conveniência...

. Papisa Joana

. A Música das Borboletas

. O Maléfico

. O Quarto Mágico

.arquivos

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

Domingo, 10 de Abril de 2011

Lar Doce Lar

 


Mais um Policial! Deste que li Cadáveres Inocentes de Kathy Reichs apercebi-me que gosto deste género de literatura, devido ao mistério. à acção e até mesmo à caracterização das personagens.

Ouvi falar de Mary Higgins Clark na altura em que andava a ler Reichs, depois mais tarde uma amiga emprestou-me Lar Doce Lar de Clark, fiquei bastante entusiasmada, que embora o tempo tenha sido pouco, consegui, em menos de um mês, terminar a leitura.
Já alguém dizia: "Mary é uma senhora", e se o é! Fiquei fascinada pela história, pelo mistério e pelo o enlace.
O livro fala-nos da história de uma rapariga, Liza Barton, que matou a mãe acidentalmente e disparou contra o padrasto.
No tribunal de menores foi considerada inocente, embora quase ninguém acreditasse na sua inocência. Vinte e quanto anos depois, Liza é Celia Nolan, uma famosa decoradora de interiores, que recebe do marido, Alex Nolan, como prenda de aniversário, a sua antiga casa, onde assassinou a mãe. Celia nunca contou ao marido o seu passado.

No momento em que volta à sua cidade natal começam a surgir alguns mistérios e homicídios que parecem es

tar ligados a Celia.
Esta tenta esconder a sua verdadeira identidade até ao final do livro, para que não pensem que a responsável pelo que se está a passar seja a nova residente. Ao mesmo tempo que se tenta esconder, tenta desvendar o passado afim de perceber o porquê de ter morto a mãe e o porquê do seu ódio pelo padrasto.
É uma história emocionante contada em oitenta capítulos. Cada um diz respeito às diversas personagens que surgem na trama, como por exemplo, Jeff, o procurador da cidade e futuro governador que tem um papel muito importante na história, Ted, o padrasto de Liza, e outros.
Os capítulos dirigidos a Celia são os únicos escritos na primeira pessoa, enquanto os outros são narrados por um narrador não presente.
Aconselho vivamente as obras desta escritora! Terei o prazer de voltar a ler.

Agora vou ficar, novamente, com Sarah Addison Allen e O Feitiço da Lua

 

tags:

publicado por dianaemanias às 14:31

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds